ex æquo (Zeitschriftenheft)

Mulheres na imprensa periódica colonial: discursos e representações


Allgemeine Angaben

Herausgeber

Doris Wieser Jessica Falconi

Publikationsdatum
2019
Jahrgang
20
Nummer
39
Weiterführender Link
https://exaequo.apem-estudos.org/revista/revista-ex-aequo-numero-39-2019
ISSN
0874-5560
Thematik nach Sprachen
Portugiesisch
Disziplin(en)
Medien-/Kulturwissenschaft
Schlagwörter
Portugiesisches Imperium, Geschlechterforschung, Koloniale Presse

Exposé

O adjetivo «colonial» para definir a imprensa periódica produzida no espaço-tempo do império português, ao justapor publicações de pendor colonialista e outras de cunho oposto, não deixa de carregar as assimetrias constitutivas das relações coloniais, baseadas no género, na raça, na classe, etc. No que se refere às assimetrias de género, como demonstram alguns artigos incluídos neste dossier, a imprensa periódica colonial foi, em larga parte, produzida por e dirigida para sujeitos masculinos, configurando-se como, nas palavras de Jeanne Marie Penvenne, «uma conversa entre homens». Se, por um lado, se trata de um dado real, por outro, esta leitura corre o risco de perpetuar uma visão parcial dos empreendimentos coloniais como factos essencialmente masculinos. Trata-se de uma visão que a historiografia feminista sobre os impérios europeus tem vindo a desafiar, abordando tanto a multiplicidade de papéis desenvolvidos pelas mulheres, quanto a natureza gendered das construções ideológicas imperiais (McClintock 1995; Levine 2004).
Os artigos reunidos neste dossier dão conta tanto da construção e regulação do espaço discursivo destinado às mulheres, frequentemente marcado pelo silenciamento, quanto do modo como as «interferências» das vozes das mulheres se deram nos diversos espaços e momentos do império, sobre temas distintos e a partir de posicionamentos ideológicos díspares, traçando um quadro de insuspeitada polifonia.

Inhalt

Entre silêncios e interferências: mulheres na imprensa colonial
Jessica Falconi e Doris Wieser

A Esperança: A leitura e a escrita de e para mulheres em Cabo Verde, 1901
Ricarda Musser

Domingas Lazary Amaral – “uma querelada pela liberdade de imprensa”
Sílvia Espírito Santo

Silêncios no feminino no Boletim da Agência Geral das Colónias/do Ultramar
Sandra Sousa

A construção da identidade da Mulher em revistas do Estado Novo
Aldina Marques, Isabel Margarida Duarte, Alexandra Guedes Pinto e Catarina Pinho

Maria Archer: uma etnógrafa amadora na imprensa colonial
Gemma Nadal

Beatriz da Conceição de Ataíde Lobo e Faria: um rosário de contos para a coluna “Leituras para Senhoras”
Cielo G. Festino

Sofia Pomba Guerra: uma feminista na Imprensa Moçambicana dos anos 1930
Pamela Peres Cabreira e Luís Carvalho

Irene Gil e Sofia Pomba Guerra: vozes de mulheres portuguesas em Moçambique nas páginas de Itinerário
Ada Milani

Maria Firmina dos Reis, decolonialidade e escrita abolicionista na imprensa maranhense oitocentista
Cristiane Navarrete Tolomei


Anmerkungen

Dossier

Ersteller des Eintrags
Doris Wieser
Erstellungsdatum
Mittwoch, 21. August 2019, 17:58 Uhr
Letzte Änderung
Sonntag, 25. August 2019, 21:32 Uhr